Procedimentos RVSM

Os Operadores e a Autoridade de Aviação Civil do Estado devem usar o formulário CARSAMMA F1 para apresentar os dados do ponto de contato (pessoa responsável RVSM do Setor ou Empresa).

Os operadores devem enviar à Autoridade do Estado dados como tipo de aeronave, série, número de registro, e o número de série do fabricante de todas as aeronaves que pretendam operar no espaço aéreo RVSM das Regiões CAR/SAM.

Os Operadores deverão vistoriar e/ou modificar as aeronaves de acordo com as exigências de aeronavegabilidade RVSM apropriadas e estabelecer procedimentos em relação às práticas e programas (reparo e manutenção) de aeronavegabilidade ininterruptas (como especificado em JAA TGL6 Rev1), a fim de preparar suas aeronaves para a monitoração.

Uma vez recebida a aprovação de aeronavegabilidade, o Operador deverá contatar uma empresa especializada para planejar o vôo de monitoração. Esta empresa deverá usar o Formulário de Informação de Vôo (FIF) para iniciar o processo de monitoração junto à CARSAMMA.

O Operador GMU deverá enviar à CARSAMMA os dados coletados durante o vôo de monitoração.

A CARSAMMA calculará o ASE e, se o resultado estiver dentro dos parâmetros previstos, será enviado à Autoridade de Aviação Civil do Estado de registro, uma “Carta ASE”. Se o resultado encontrado estiver fora dos parâmetros previstos, a CARSAMMA comunicará o resultado ao Operador.

A Autoridade de Aviação Civil do Estado deve usar o formulário CARSAMMA F2 para apresentar os dados de conclusão de aprovação da aeronave.

A CARSAMMA manterá uma base de dados atualizada das aeronaves aprovadas RVSM.